2011-11-01

Estamos na fila

EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Email do consulado confirmando o recebimento da nossa aplicação!!!! Nossa, só isso já é excelente, pelo menos na estamos na fila!!!

2011-09-18

Vancouver: dia 1

Vancouver foi maravilhoso, tivemos dias maravilhosos, com temperaturas ótimas, nem muito quente, nem muito frio.

Ao chegar no aeroporto já foi lindo, a decoração do aeroporto é maravilhosa. Com direito a Totem e escadaria com cachoeira (e juro que não era brega). Pegamos o carro no próprio aeroporto e seguimos em direção a casa do Steve (que encontramos no Airbnb), seguindo o caminho que ele nos mandou por email, e com o GPS ligado para termos certeza para onde estávamos indo. No caminho já fomos nos derretendo de amores pela cidade, casas lindas, ruas maravilhosas, e as montanhas fantásticas ao norte.

Chagando lá, Steve nos recebeu de sorriso aberto, nos ajudou com as malas e nos levou para o nosso cantinho em Vancouver. Um super espaço muito bem iluminado, com janelas para todos os lados, flores e um pé de tomate. Conhecemos os cachorros Sombrio e Chin Chin, e depois nosso companheiro de quarto Bowmac, o gato, todos eles super amigáveis. Aproveitamos que ainda era de tarde e fomos aproveitar o resto do dia andando de carro por Vancouver. Passamos no centro, nos perdemos no Stanley Park, atravessamos a Lions Gate para North Vancouver onde comemos alguma coisa (estávamos verde de fome). Comida e atendimento maravilhoso!! Na verdade todos os restaurantes que fomos tem atendimento impecável, e não achamos comida ruim.

Voltamos para ver o pôr-do-sol no Stanley Park, paramos em frente a um café e ficamos olhando o mar, o sol baixinho, comemos amoras (é tipo praga por lá), e fomos para uma ciclovia/calçada que vai seguindo a linha do mar e lá vimos o pôr do sol. Breathtaking, fizemos várias fotos e ficamos lá vendo as pessoas passarem caminhando, andando de bicicleta, correndo, os navios, os barcos. Parecia mentira de tão bonito e tranquilo.

Voltamos para a casa do Steve, onde conversamos mais um pouco, Bowmac foi nos chamar no andar de baixo para voltarmos para o quarto com ele e fomos dormir. Afinal estávamos completamente exaustos.

2011-09-12

Back from Canada, eh?

Voltamos de Vancouver, não sei se foi uma boa ideia ter ido. Fizemos amizades maravilhosas, nos apaixonamos pela cidade, pelas montanhas, pelo mar, pelo Stanley Park. O problema é que agora é muito mais difícil ficar aqui! Não vejo motivo nenhum para ficar. Quero voltar, quero ficar lá, conversar com aquelas pessoas fantásticas de novo, comer sushi de verdade! Socorro!! Me tirem daqui!!

Realmente não vou ter paciência para esperar o resultado do pedido de imigração, vou ter que arrumar uma maneira de ir antes. Vou dar um jeito de estudar, mandar projetos pra todas as Universidades!!

Bom em relação a viagem, eu conto no próximo post. Estou colocando ordem nos passeios, afinal foi o dia todo na rua passeando e ficou faltando muita coisa.

2011-08-12

Vancouveriando

Bom vamos para Vancouver conhecer, eu sei que a ordem das coisas está um pouco estranha, mas já que o processo de imigração é lento dá tempo de ir várias vezes para Vancouver fazer pesquisas, ver como é a cidade, e inclusive visitar outras cidades para ver qual a mais interessante.

Já que o que eu acho mais interessante nos outros blogs é a informação prática que eles postam, vou tentar fazer o mesmo.

Infelizmente por enquanto não exite viagem direto para Vancouver no momento. E por falar nisso, o Brasil com toda a pompa de estar tão importante assim, mas não tem mais voos diretos para algumas cidades que existiam antes como Los Angeles por exemplo, e eram voos que lotavam, não consigo entender essas coisas. Voltando, compramos as passagens pelo Submarino viagens, pois temos o cartão deles, então  podemos dividir em 10 vezes, o mais barato que achamos foi ao redor de R$ 1.800,00 por pessoa (caro, né?) com uma parada em Dallas. Mas antes procurei muito no Hotwire (http://www.hotwire.com/) para descobrir o melhor valor.

Fora o voo, tem a hospedagem. Essa foi uma das mais divertidas de procurar. Já tinha uma pesquisa anterior de hotéis, tinha pensado em ficar no Ramada, que não é nenhuma maravilha, mas tem um bom custo/benefício, e era bem localizado. E eu já conhecia a rede de outras viagens com o meu pai, das épocas dele de VARIG (bons tempos). Mas queria fazer uma coisa menos hotel e mais casa, menos turista e mais residente, para saber como é. Seguindo a dica de alguns sites fui parar no Airbnb (http://www.airbnb.com/), que é fantástico, tem de vários valores em vários locais da cidade, tem apartamento inteiro, quarto, casa, tudo. Decidimos por um quarto numa Heritage house (ou seja uma casa antiga toda bonitona), na verdade pelo sótão da casa, na qual o dono da casa já dá as boas vindas para hikers, runners, trail runners que ele também adora esse tipo de passeio e se oference para ajudar na programação. Fantástico, eu não corro nem um quarteirão, mas adoro passear no meio do mato, vamos ver o que conseguimos fazer.

E em relação ao transporte o que faremos? Primeiro procurei como era andar na cidade de skytrain e ônibus. Descobri que ficava $9 o daypass para cada um, e para descobrir que ônibus pegar era só entrar no http://www.translink.ca/, e que dava pra pegar um skytrain do aeroporto até mais ou menos perto da casa que ficaremos. Só que provavelmente estaremos sem Internet boa parte do dia (será?), e após de uma conversa com o meu pai resolvemos alugar um carro, até porque deve ser delicioso dirigir por lá e poder chegar mais perto das montanhas a qualquer horário. Mais uma vez fui no hotwire (http://www.hotwire.com/) que não te deixa ver de que compania você está comprando até você efetivamente comprar, procuramos em paralelo na Avis e na Hertz nessa ficava mais ou menos 45 dólares por dia sem seguro, e na hotwire achamos por 33 com seguro.

Bom e por enquanto é isso, já está tudo agendado e pago, agora o que falta é pegar uns dólares canadenses para ter na mão. E acho que vamos comprar pelo confidence (http://www.confidencecambio.com.br/), que tem dólar canadense em moeda ou aqueles cartões da visa também direto em dólar canadense. Vale a pena levar uma grana na mão e na moeda locar, porque se levar em dólar americano vai perder muita grana na troca, e se resolver pagar direto em dólar americano quem aceitar vai trocar por um valor acima do mercado, então é pedir pra perder $$.

E outra coisa que estou pesquisando é uma maneira de não ficar sem Internet, e poder usar os iPhone para nos localizar e achar coisas (baixei vários aplicativos de turismo em Vancouver). Então tentaremos comprar um chip prépago com dados da Rogers (http://www.rogers.comtalvez? Mas isso acho que só conseguiremos fazer quando chegarmos em Vancouver, dei uma pesquisada no site, e parece ser possível.

Agora é contagem regressiva para a viagem. Se eu lembrar de mais algum site que ajudou na viagem, aviso. E em breve vou fazer outro tópico falando das atrações Vancouverites.

2011-08-10

Encontro de São Paulo.

Nesse fim de semana aconteceu o encontro dos futuros imigrantes do Canadá. Foi incrível.

Fomos eu e o Ivan, e foi muito bom conhecer pessoas que tem o mesmo sonho que a gente, incluindo pessoas que estão a espera do tão aguardado visto há mais tempo que nós. Foi uma excelente troca de informações, ideias, esperanças e angustias.

Sem falar que são pessoas que valem muito a pena conhecer, e que eu espero manter o contato, de preferência no Canadá. O que deixa a gente um pouco mais tranquilo, porque normalmente quando alguém fica sabendo que você pensa em imigrar te olha como se fosse um doido varrido, como se fosse largar tudo aqui e nunca mais voltar, como se fosse  fazer algum absurdo, como viver da cabeça pra baixo pendurado pelas pernas, sei lá. Como se os antepassados deles não tivessem feito a mesma coisa. Acho tão humano querer imigrar, ir para novos lugares, tentar melhorar, conhecer coisas novas, viver de outra maneira, com pessoas diferentes. Ainda mais quando se o lugar que se planeja ir tem mais qualidade de vida, uma sociedade que vive melhor com as diferenças entre os indivíduos, que tenha uma renda mais bem dividida.

De qualquer forma, fizemos contatos muito bons, conhecemos algumas pessoas que estão quase de mala pronta para ir e ficar e outras que, como nós, estão indo para conhecer. Espero ansiosa pelo próximo encontro.

No fim desse mês, eu e o Ivan vamos para Vancouver ficar uns dias para conhecer melhor a cidade, e as pessoas. Bem divertida essa coisa de viagem, dá para achar várias coisas na internet. Essa semana eu escrevo sobre esse processo de viajar e como preparar a viagem daqui.